Quanto pesa a tua mochila?

– Bolas, que me dói as costas e os ombros. Maldita mochila que está pesada! Sei que tenho ai meia dúzia de coisas que podia dispensar, mas ainda assim preciso de quase tudo.
– Quanto pesa a tua mochila?
– Não sei quanto pesa, mas agora que a larguei é que sinto como estou mais leve.
– Experimenta tirar o que tens ai dentro para perceberes se precisas disso tudo.

Despejei toda a mochila e comecei a contar as t-shirts, roupa interior, calças, camisolas, tenis, cadernos, canetas, clipes, pincéis…

– Caneco, não te consigo dizer. disse eu desolado.

Estava tudo ali à nossa frente. Dividido por sectores. Roupa por camadas, mais quente, mais leve. Material de desenho. Não tinha mais que um metro quadrado tudo junto.

– Então, quanto pesa a tua mochila? – pergunta-me outra vez.
– Não sei, uns quinze quilos… é isto que estás a ver! E alguma coisa ficou pelo caminho. – disse eu.

Pegou na mochila completamente vazia e perguntou-me:


– Tens a certeza que tiraste tudo o que estava cá dentro? – Agitando-a, para ver se caía alguma coisa.
– Sim! Está completamente vazia não tenho mais nada.
– Então, mete-a lá às costas. – Disse-me em jeito de ordem e sentou-se.
– Que tal, quanto pesa a tua mochila?
– Assim vazia… deve pesar uns três quilos… talvez, não tenho uma balança dentro de mim.

– Fez-se em silêncio. Levantou-se. Olhou para mim. Colocou-me a mão direita no ombro esquerdo e disse-me:Pois deixa-me que te diga que ainda carregas muitos quilos nessa mochila. Andas a levar coisas que só te pesam nas costas e não te deixam endireitar, rapaz. Eu sei que tens uma vida inteira para conquistar, mas lembra-te de chorar quando não o queres mostrar. Lembra-te de seres tu quando te olhares ao espelho. Não te culpes pelo que fizeste, mas pelo que ainda estás a pensar que devias ter feito, ou mudado. Não carregues tudo o que querias ter dito ou dado e que nunca chegaste a fazer. Se não te pertence, se não te fez bem, se já ficou longe é porque tens que largar. Saber largar, ter paciência e apreciar os pequenos momentos da vida, são coisas que deves meter nessa mochila. Vais ter que os teus ombros vão agradecer.

Refaz a mochila com esperança em ti próprio. Mantém na tua cabeça que tu és o teu destino e que mudarás sempre que não gostas de algo. Lutarás sempre quando te sentires em perigo. Irás decidir e descobrir o teu caminho mesmo que o mundo te queira ver ao contrário. Irás fazer o impossível pois só tu verás que era possível. O que tens hoje nessa cabeça, é o teu passado. No teu peito, no teu coração está o presente e é esse que te fará caminhar. Viajar sozinho e leve é o primeiro passo para nos conhecermos melhor e tu ainda não te conheces assim tão bem.

Isto passou-se ao fim de um dia e meio em viagem entre vários comboios desde Helsingborg até Amesterdão.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Sobre Nós

Olá! Somos Luis, apaixonado por Urban Sketching e Anisa, por fotografia. Conhecemo-nos em Bali, onde vivemos juntos e agora viajamos de bicicleta por todo o mundo. Gostamos de partilhar a estrada sobre 2 rodas ou de conversar sobre comida. Como não sabem qual é o melhor lugar para viver, andam a viver o mundo como se fosse a sua casa.




Artigos relacionados

Anterior
Seguinte

6 Comments

  1. Que texto fantástico, Luís!
    E deixa-me que te diga… Tu, os teus sketches e as tuas crónicas são imprescindíveis na minha “mochila”!!!
    Feliz Ano Novo!!!
    Grande abraço.
    Clara

  2. Muito obrigado Clara 🙂
    É uma alegria sentir a tua força!
    2013 será um ano de mudança de continente e com ele mais aventuras, sketches e crónicas. Vamos lá continuar e feliz ano novo!

  3. Nao sei o q dizer perante o q partilhaste aqui. A vida e sem duvida uma viagem e pelo caminho encontramos muitos momentos importantes q nem sempre os identificamos. Felizmente não e o teu caso:) feliz ano !

  4. Linda a tua reflexão Luis, mas com o tempo verás que todos nós carregamos com mais “peso” que aquele que temos capacidade a isso se cham sofrimento, mas também a vida é feita disso. Beijinhos da 2ª prima que te acompanha. Raquel

  5. BELA REFLEXÃO LUÍS TODOS NA NOSSA VIDA TEMOS DE CAR-
    REGAR COM MAIS OU MENOS PESO;SÓ QUE POR VEZES HÁ
    CERTOS PROBLEMAS QUE NÃO CONSEGUIMOS QUE ELES
    ALIVIEM O PESO DA NOSSA MOCHILA,OU SEJA COMO DAR A
    VOLTA POR CIMA E ENCARAR A SITUAÇÃO COM GARRA E
    ESPERANÇA EM MELHORES DIAS,COMIGO SE PASSA MUITO
    ISTO.FORÇA E CORAGEM,POIS AINDA TENS MUITOS QUILÓ-
    METROS A PERCORRER E UMA LONGA VIDA A VIVER,CON-
    TINUA COM TEUS BELOS SKETCHES POIS NADA MAIS SALU-
    TAR DO QUE PUDERMOS FAZER AQUILO QUE GOSTAMOS.

    ANTÓNIO VINHA
    (ARTISTA PLÁSTICO)

  6. Sinto uma admiração incrível por pessoas q são capazes de largar tudo e perseguir os seus sonhos e com isso tambem para se encontrarem a si próprios fazendo q com a partilha dessas experiências estejam de alguma forma a ajudar outros q apesar de nao terem essa coragem, disponibilidade ou por qualquer outro motivo…
    A minha mais sincera admiração e respeito… E continuação de boa viagem… 😉

Leave a Reply