Sinto-me tão bem aqui.

Espanha, Coruña – 22 Março 2012

O que fazem aqui tantas pessoas?
Será que o resto da cidade também está assim tão preenchida?
Sentado num banco de jardim, deixo-me ir na ideia de que vou ficar ligado a esta cidade de alguma forma. Uma parte de mim identifica-se com as fachadas dos edifícios. Ao sol que dá luz às ruas e as mantém quentes. À Praça Maria Pita e à gente que lhe dá vida. Em redor de tudo isto e alheio da confusão urbana, está o mar. Um sossegado azul marinho, tranquiliza quem por ali passa. O que fazem aqui tantas pessoas pela fresca da manhã?

Passos largos, corrida ligeira, sentados nos bancos a ler os “periódicos”. Mulheres bonitas, homens engravatados, cães que guiam pessoas, pessoas que têm pressa em chegar. Aqui encontro de tudo. Aqui ando de bicicleta, regalado com a brisa fresca que me fez gelar a cara. Mas esse gosto já ninguém me tira!

 

Coruña - Marina

Coruña - Castillo San Anton

 

Encosto o bicicleta, procuro uma rocha larga e espalmada para me instalar. Um novo desenho aproxima-se. Apetece-me mais viver o momento do que desenhar. Os pescadores são sempre gente sábia e umas horas na sua companhia só me fará bem. Deixo-me ir nos lançamentos do anzol, juntamente com o sol que me vai queimando a pele. A vida se não é perfeita naquele momento, não sei quando será.

Ao fundo vejo um pescador com um balde cheio de frutos do mar. Frutos, porque não faço qualquer ideia do que apanhou. A minha curiosidade comanda-me e vou ter com ele. Provo então, ovas de ouriço do mar. Exclamo “sabe a mar!”. Sai uma gargalhada geral perante a minha ignorância e o velho pescador. Em 15 minutos apanhou 93 ouriços. Agora 92 porque um deles já vai comigo.

 

Coruña - Torre Hercules

 

É cedo e está um frio terrível. A uns bons 500 metros está a Torre Hercules. É o Farol mais antigo ainda em funcionamento. Não há tempo a perder e antes que fique completamente gelado, vamos lá desenhar. Fixo-me na paisagem morta com as costas voltadas para o agitado oceano. Sem convite, o pardal Traçado faz-me companhia. Olha para o que faço e vai metendo conversa comigo. Falamos de como é bom viajar. Como é bom ter asas e voar. Como é bom ser-se livre.

A conversa vai tão boa que o Penas Curtas e o Radical, juntam-se a nós. Este último, é o mais novo dos três. Faz furor entre os pardais fêmea da idade dele. Porém, é tão desligado que ninguém o prende. Adora fazer razias aos escarpados da montanha e passar rente ao mar para apanhar com alguns salpicos. Deixa-se ir nas correntes de ventos desgovernados porque “assim é que é viver”, diz ele. O Penas Curtas é mais reservado. Observa, ouve e espera pela sua vez para dar a sua opinião. Não gosta de grandes bandos de pardais, acha que dá sempre confusão. Prefere fazer a sua vida solitário e sem preocupações.


O desenho está pronto. “O que acham?!” pergunto. Olho para o lado com o caderno na mão e reparo que estou sozinho. Oiço uma voz: “Falas com quem, rapaz?”. Um velhote chega-se ao meu lado esquerdo. “Tenho estado à que tempos a observar-te aqui sozinho e falas com quem?”.
Respondo “…com as aguarelas, senhor, com as aguarelas!”.

 

Coruña - faces Virgen Carmen

Coruña - Avenida de la Puerta de Aires

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Sobre Nós

Olá! Somos Luis, apaixonado por Urban Sketching e Anisa, por fotografia. Conhecemo-nos em Bali, onde vivemos juntos e agora viajamos de bicicleta por todo o mundo. Gostamos de partilhar a estrada sobre 2 rodas ou de conversar sobre comida. Como não sabem qual é o melhor lugar para viver, andam a viver o mundo como se fosse a sua casa.




Artigos relacionados

Anterior
Seguinte

3 Comments

  1. Além das aguarelas (que sou fã), a descrição da Corunha está muito bem escrita, descreve pormenores deliciosos e quanto às ruas cheias de gente é das primeiras recordações que tenho e uma sensação única (de Espanha em geral).

Leave a Reply