Europa

Dinamarca

 

Denmark - Ribe

Ribe – 14 Junho 2012

Ribe é a cidade mais antiga na Dinamarca e foi a primeira paragem pela Escandinávia. As históricas casas inclinadas, convidam a olhar com mais atenção e escutar o que querem dizer. Em pleno Euro 2012, a rua principal, onde fica todo o comércio tradicional, existem bandeiras e camisolas da Dinamarca em tudo o que é loja. Decide-se hoje quem passa a fase de grupos e há jogo entre Portugal e Dinamarca. Destemido ou inconsciente, meto-me num de dois bares, porque Ribe é demasiado pequena para ter mais, e lá assisto ao encontro. Bar esse, que está repleto de dinamarqueses, cerveja e fumo de tabaco. A coisa corre de feição para Portugal e ao intervalo já levamos 2 de avanço. Nervosos e ensopados em cerveja, é visível o desconforto do resultado no ainda esperançado semblante de todos os que preenchem o bar Strygejernet.

Todos menos eu, que com dois golos no bucho, a identidade já havia sido revelada. Ainda assim, sorriam-me e pagavam-me cervejas. Não estivesse eu numa cidade bastante civilizada. O jogo começa e lá continuo sentado nas escadas que dá acesso ao piso superior do bar. O desenho chama atenção de quem passa por mim. Um golo para a Dinamarca e soltam-se os primeiros festejos, conscientes que ainda perdem por um, já me encaram como quem diz que a coisa ainda vai correr mal para mim.

Confiante de que hoje é o meu dia de festejar, surge o segundo para os da casa. É a loucura. Saltos, encontrões, cerveja por todo o lado, berros, cadeiras no chão, mais berros e no fim o cântico de incentivo à vitória. Todos, incluindo eu, bebemos um “shoot” típico. Embrulhado naquilo tudo, qualquer resultado era bom. Sinto-me entre amigos e se eles ficam satisfeitos eu também. Entre pinceladas, Portugal marca o terceiro e mete outra vez a minha selecção a ganhar. Solto um grito de entusiasmo, algo apressado, porque gosto de sorrir com os dentes todos e ali já deu para perceber que os meninos comem feno ao pequeno-almoço, apesar de dóceis. No final vem o reconhecimento pela vitória e um aperto de mãos «Bom jogo, jogaram melhor e mereceram ganhar.»

 

Denmark - Ribe

Mas também existem mulheres por ali e atrevidas. «O que é que fazes aqui? Ah estás a desenhar! Deixa ver… que giro! Mas porque é que estas aqui sozinho, podias estar ali connosco?!» diz-me Katrine. Loira de olhos azuis, com uns óculos de massa negros, como é comum por estes lados, com uma grande acentuação americana no inglês.

Anker é a amiga, de características semelhantes, difere somente no atrevimento. Katrine, destravada, pega-me na mão e lá me leva para uma noitada de boa companhia, conversa, cerveja e jogos. «Não queres almoçar connosco amanhã?» perguntam-me elas. «Teria todo o gosto mas não posso gastar dinheiro em restaurantes. Sou um viajante de pouco orçamento.»

Riram-se e de resposta pronta «então programamos um piquenique em conjunto num parque e assim não gastas dinheiro, que dizes?». Dito e feito. Uma companhia agradável para começar da melhor maneira a minha entrada na região das loiras… perdão, da Escandinávia.

 

 

Denmark - Copenhagen

Copenhaga – 21 Junho 2012

Depois de várias pequenas paragens pela Dinamarca, entro em Copenhaga por uma ponte a perder de vista. Uma estrada sobre o mar. Dos lados, o azul, escuro e claro, terminam no infinito. Uns quantos barcos protagonizam a panorâmica. Após dez minutos de uma vista fantástica, o preço a pagar são 350 kronas. chego à Capital num estupendo dia de verão. Por aqui encontro amigos do tempo da secundária, que a internet nos punha a par das notícias, mas nada que substitua a um bom abraço.

Mostram-me a cidade como a conhecem. Entre monumentos, praças, pontes, casas e pessoas é difícil focalizar a minha atenção aos diversos apelos sensoriais. Copenhaga cativa-me pelas cores, pelas bandeiras esteadas, pelas bicicletas, pelas miúdas lindas de morrer que me oferecem sorrisos, pelos parques, praias e bares. Por com 20 kronas, equivalente a 2 euros, fica-se com uma bicicleta à disposição para percorrer tudo o que é canto em Copenhaga. Um luxo. No fim, é só deixar num dos vários locais de recolha e retirar a moeda. Demasiado simples e funcional, mas é verdade.

 

Denmark - Copenhagen

«As cidades deviam ser assim! Com esta luz, boa disposição, bicicletas, civismo e ..

…acompanha o resto da história e sketches na revista Visão Vida e Viagens de Agosto!.

Denmark - Copenhagen

 

About me

Luís Simões

An adventure travel sketcher, professional illustrator, and digital nomad.

Get our books!

Advertisement
Most Popular

Riga, Letonia

Groningen, Países Baixos

Available Prints and Originals

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *