América

La Cumbre, Colômbia

 

Passou praticamente um mês desde que chegámos a uma povoação chamada La Cumbre, em Valle de Cauca, Colômbia. Aqui chegamos porque trocamos o nosso plano inicial de ir por um caminho de terra barrenta, por um caminho mais seguro de asfalto. A alteração de planos custou-nos um valente sacrifício de subir montanhas com inclinações de 26 graus!! Pela primeira vez, após mais de três meses a andar de bicicleta, tive que empurrar toda a tralha e deixar o orgulho de ciclista de lado.

Como um quarto para descansar, tornou-se a nossa casa por um mês!

Durante 2 horas procuramos por um hotel. Ora subíamos, or descíamos pois o raio da povoação não tinha uma única estrada plana. Estávamos quase sem dinheiro e os hotéis que encontrámos eram todos demasiado caros para o nosso bolso. Procuramos um chão para acampar mas nada nos pareceu como uma viável opção. Ou então estávamos demasiado cautelosos…

Parámos de procurar e decidimos levantar dinheiro. Decisão sensata pois sem dinheiro e à procura de quartos, não fazia muito sentido. Perguntamos a algumas das pessoas que estavam perto de nós por um local económico para dormir. Indicaram-nos o “Hostal La Cumbre” que ficava mesmo em frente a onde estávamos mas que infelizmente, como não tinha qualquer informação, não o vimos. Finalmente, depois de tanto esforço, alguém nos recebia bem e nos oferecia um preço mais ajustado às nossas capacidades de viajantes forretas. O dono, Hammer, começou por nos oferecer um lugar em que nos sentíssemos cômodos, bem amados e sobretudo “que o passássemos bem”! – dizia com um sorriso. Mas acabou por nos oferecer muito mais…

Com Hammer, La Cumbre ganhou outro significado para nós. Deixamo-nos levar pelas suas oportunidades de conhecer uma povoação “perdida no tempo” e descansamos as pernas dos quilómetros já feitos. Conhecemos novas pessoas e os seus costumes. Partilhamos refeições, conversas e amizades. Andamos pela primeira vez de moto-quatro, nas “Brujitas” – carros artesanais de madeira com rolamentos, empurrados por malta local, sobre a antiga linha de comboio – visitamos cascatas e, acima de tudo, comemos bem!

Dica: embora haja muita comida local de boa qualidade, a Pizzaria Safari oferece belas pizzas, sumos e sanduíches. Uma vez que nos mantivemos tanto tempo em La Cumbre, procuramos variedade.

Um mês depois

Depois de tanto tempo parados, estávamos ansiosos por voltar à estrada. A Berg Outdoor tinha-nos enviado roupa nova, tínhamos também adquirido uma câmara nova para usarmos durante a viagem e estávamos mais que “descansados” de pedalar. Era tempo de regressar ao que tínhamos planeado e continuar a nossa aventura pela Colômbia em bicicleta!

 

About me

Luís Simões

An adventure travel sketcher, professional illustrator, and digital nomad.

Get our books!

Advertisement
Most Popular

Portugal, Aveiro

Bélgica, Brugge

Available Prints and Originals

No posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *